Pular para o conteúdo principal

DIANTE DO AMANHÃ


Diante do amanhã

São compreensíveis os cuidados que todo ser humano adota em seus negócios e afazeres mundanos, com vistas à própria tranquilidade.
Ele organiza com esmero a casa em que vive.
Protege as vantagens imediatas de sua parentela.
Preserva de forma apaixonada a segurança dos filhos.
Atende, com extremado carinho, ao seu grupo social.
Valoriza o que possui.
Arranja habilmente o leito calmo e confortável.
Seleciona com gosto os pratos que compõem o cardápio do dia.
Defende, como pode, a melhoria de suas rendas.
Aspira a conquistar um salário mais amplo.
Garante o seu direito à frente dos tribunais.
Vasculha com avidez o noticiário para saber o que ocorre no mundo.
Procura, com pontualidade e respeito, os serviços de médicos e dentistas.
Vai ao cabeleireiro.
Escolhe com atenção o filme que deseja ver.
Examina a moda, ainda que com simplicidade e moderação, como quem cumpre um ritual.
Interessa-se por ocorrências políticas e as questiona.
Discute de modo veemente a eficiência dos serviços públicos.
Tenta, até de forma instintiva, influenciar opiniões e pessoas.
Desvela-se em atrair a simpatia de colegas de trabalho, chefes e subordinados.
Observa, a cada instante, as condições do tempo.
Todos esses comportamentos são compreensíveis, normais e mesmo úteis.
Eles traduzem preocupações naturais da existência terrena.
No entanto, é preciso cuidado para não transformar questões transitórias e instrumentais no objetivo da vida.
Os pequenos interesses e comodidades do dia-a-dia são relevantes, em certa medida.
Mas o apego a eles não pode justificar o descuido com questões magnas da experiência humana.
É compreensível que alguém gaste tempo na busca de conforto, segurança e bem-estar material.
Mas é incompreensível que não dedique alguns minutos de seu dia para refletir sobre a transitoriedade dos recursos humanos.
Afinal, absolutamente nada do que é material poderá ser levado no retorno à pátria espiritual.
Não há conquista, cuidado ou dedicação a algo físico cujo resultado perdure mais do que algumas décadas.
Na jornada para o Além-túmulo, somente os bens do Espírito seguem na bagagem.
Da mesma forma que, ao renascer, apenas são trazidas as conquistas espirituais, entre elas as virtudes e inteligência.
Não se trata de convite a fixar a mente na idéia obcecante da morte.
Mas de concluir que, nessa ou naquela convicção, ninguém foge do porvir.
O Senhor Jesus afirmou: Andai enquanto tendes luz.
Isso quer dizer que é preciso aproveitar a luz do mundo para acender a luz do próprio íntimo.
Pense nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…