Pular para o conteúdo principal

Mensagem do dia 13 de maio de 2010

Lápis e borracha na mão...

Uma borracha, para apagar de nossa história tudo que nos desagrada. Uma sabonete, para retirar as marcas das máscaras que usamos no dia-a-dia.

Uma tesoura, para cortar tudo aquilo que nos impede de crescer. Um pássaro, que nos ensine a voar alto e cantar com liberdade. Um jarro, para conservar o carrinho e amadurecer o amor.

Um frasco transparente, para conservar os sorrisos. Sem tampa, para escutar o alegre som. Lentes corretoras da visão da vida, que nos permitam enxergar, com amor, o próximo e a natureza. Um esquilo, que nos mostre como galgar os ramos da árvore da sabedoria. Agulhas grandes, para tecer sonhos e ilusões.

Um cofre, para guardar as lembranças construtivas e edificantes. Um zíper, que permita abrir a mente quando se deseja encontrar respostas, outro para fechar nossa boca quando for necessário, e outro para abrir nosso coração.
Um relógio, para mostrar que é sempre hora de amar.

Um rebobinador de filmes, para recordar os momentos felizes de nossas vidas. Sapatos da moral e da ética, para pisarmos com firmeza e segurança por onde quer que formos. Uma balança, para pesar tudo que é vivido e experimentado.

Um espelho para admirar uma das obras mais perfeitas de Deus... nós mesmos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…