Pular para o conteúdo principal

Vestido vermelho faz um estrago que não tem tamanho...

Sempre apreciei uma mulher de vestido, principalmente se este fosse um vermelho. Sem duvida, essa cor que é vista por muitos como sendo a do amor, nos últimos dias se tornou motivo para que muitas pessoas assim como eu, perdesse um pouco de seu tempo para comentar sobre tal vestimenta. Ao ler a noticia que uma garota foi expulsa de uma faculdade por estar usando um micro vestido, quase não acreditei. Na minha época de escola, quando uma colega era mais saidinha e resolvia se expor um pouco mais, acreditem, era a maior alegria dos marmanjos e deste blogueiro. E vendo as imagens da estudante o dito cujo do vestido não é tão curto o quanto se imagina. Agora a pouco a universidade voltou atrás da decisão da expulsão.
Mas enfim, vemos que a fala de dialogo e de pessoa que realmente tenham competência levou a esse fato, segundo a reitoria a garota não era a primeira vez que ia a faculdade em trajes minúsculo, sendo assim a reitoria já deveria a muito tempo chama-la para uma conversa, mas como isso não ocorreu, deu no que deu. Vamos torcer para que isso tenha um final feliz, coisa que acho improvável, pois justiça no Brasil é muita lenta. Acompanhem a noticia da folha online.

LAURA CAPRIGLIONE da Folha de S.Paulo da Folha Online
Atualizado às 18h54.
A Uniban (Universidade Bandeirante) revogou no início da noite desta segunda-feira a decisão do conselho universitário que expulsou a aluna Geisy Arruda, 20, hostilizada após usar um vestido curto. A decisão foi anunciada em nota, porém, não traz detalhes sobre o que fez a reitoria mudar de ideia. Leia a nota abaixo:
Blogueiro que revelou caso da Uniban diz ter recebido ameaçaEstudante expulsa da Uniban diz ter sido hostilizada na ruaVeja comunicado da Uniban sobre expulsão de alunaMinistra condena medida e diz que expulsão é intolerância
"O reitor da Universidade Bandeirante - Uniban Brasil, de acordo com o artigo 17, inciso IX e XI, de seu Regimento Interno, revoga a decisão do Conselho Universitário (CONSU) proferida no último dia 6 sobre o episódio do dia 22 de outubro, em seu campus em São Bernardo do Campo. Com isso, o reitor dará melhor encaminhamento à decisão."
Rubens Cavallari/Folha Imagem
A estudante Geisy Arruda e o advogado Nehemias Melo; advogado entrará com ação para que aluna conclua o semestre na Uniban
Geisy foi xingada nos corredores da universidade no último dia 22 por usar um microvestido rosa. O tumulto foi filmado e os vídeos acabaram na internet. A aluna, que está no primeiro ano do curso de turismo, parou de frequentar as aulas após a confusão e, neste fim de semana, foi expulsa.
O anúncio da expulsão foi publicado em jornais de São Paulo neste domingo (8), e a aluna afirmou ter sido comunicada pela imprensa. Na nota do fim de semana, a Uniban informou que a medida foi adotada após "flagrante desrespeito aos princípios éticos, à dignidade acadêmica e à moralidade" por parte da aluna.
Mais cedo, os advogados da estudante procuraram a DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), em São Bernardo do Campo (Grande São Paulo), para pedir a abertura de um inquérito policial sobre o caso. O inquérito foi instaurado e, ainda segundo os advogados, há indícios de que tenham havido sete crimes: difamação, injúria, ameaça, constrangimento ilegal, cárcere privado, ato obsceno e incitação ao crime.
Em entrevista concedida na tarde de hoje, o advogado de Geisy afirmou que "a sindicância [feita pela universidade] mostrou a todo tempo que o objetivo era encontrar um culpado, que era a Geisy". Ele disse ainda não ter tido acesso aos depoimentos dos alunos ouvidos na sindicância, que comparou a um "tribunal nazista que transformou a vítima em algoz".
Procurado pela Folha Online no início da noite, Melo afirmou desconhecer o anúncio da revogação da expulsão, e disse que não iria comentar a nova decisão enquanto não fosse formalmente comunicado.

Comentários

  1. Hey Adriano, tudo bem? Que saudades de vc!
    No que diz respeito ao caso da moça do vestido vermelho,considero uma vergonha tal expulsão, pois, aonde fica o direito das pessoas de irem e virem? Não que a atitude dela em se expor de maneira ousada esteja correta. Mas, a atitude dos alunos que a reprimiram também não foi nada correta. E com eles, nada aconteceria? Quem nunca foi de mini-saia pra faculdade que atire a primeira pedra!
    Eu considero que a moça deve ter se arrependido pela situação que criou porque acabou sendo muito exposta na mídia. Entretanto, a UNIBAN acertou em voltar atrás da decisão de expulsão, pois, iria responder um processo violento de indenização por danos morais e outras coisas mais...
    Tomara que episódios lamentáveis como este não venham mais a ocorrer. Abraço, Cristiane Rubim.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…