Pular para o conteúdo principal

Lenda Persa


Dois homens se apresentaram ao rei para uma tarefa. Foram contratados por um salário fixo. Depois de alimentados, voltaram à presença do soberano para ouvir a respeito de suas tarefas.
A primeira ordem foi que cada um pegasse uma cesta, colocando-a ao lado do poço. Iriam, alternadamente, tirar a água do poço para despejá-la dentro da cesta. No final do dia, o rei, pessoalmente, iria apreciar o trabalho deles.
Depois de cinco ou seis baldes de água tirados e jogados na cesta, um
dos contratados disse:
– Afinal, qual é o valor desse serviço? Quando lançamos a água dentro
da cesta, ela se escoa imediatamente!
O outro, entretanto, respondeu:
– O rei certamente conhece a utilidade do nosso trabalho. Ele sabe o
valor dele, do contrário não teria nos contratado.
– Pois não vou gastar minhas energias na execução de uma tarefa assim.
Dizendo isso, deixou de lado seu balde e partiu. O outro homem,
pacientemente, continuou o trabalho. O poço continha muita água, mas,
sem desanimar, ele foi repetindo a operação até que conseguiu
esgotá-lo.
Olhando atentamente para o fundo do poço forrado de lodo,
ele viu que havia lá um objeto que brilhava intensamente. Era um
valioso anel de diamantes! O homem pensou:
“O meu esforço teve sua utilidade. Foi útil e necessário!”
Na hora marcada, o rei chegou e encontrou somente um dos contratados que se manteve fiel as suas ordens. O rei falou:
– Parabéns pelo seu esforço e pela sua persistência. Por diversas
vezes, contratei outros servidores, mas todos desistiram no meio do
caminho. Nenhum deles teve, é claro, sua compensação. Tome: este anel é seu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…