Pular para o conteúdo principal

Você tem 5 minutos???

Receitar a alguém sem tempo que se reserve uns minutinhos parece a história da pílula para matar a sede, que só funcionava se fosse tomada com um copo de água. Afinal, se você está com o tempo tomado, de onde vai tirar algum para si mesmo? A diferença está no objetivo. Enquanto quisermos mais tempo para fazer mais coisas, a sensação de falta de espaço na agenda não vai passar nunca, porque cada minuto poupado acaba ocupado por uma tarefa nova e, como temos uma lista de coisas por fazer, sempre faltará tempo para alguma coisa, em um ciclo infinito de ansiedade.

Reservar um tempo para si é fazer o contrário. Também começa abrindo um espaço na agenda, mas para deixá-lo em branco, sem dono, à disposição da sua vontade. É simples, mas não é fácil, porque não estamos acostumados a gastar tempo conosco.

Mas, afinal, qual é a vantagem de reservar um tempo para si?

Em primeiro lugar, para se manter saudável. Manter um tempo livre, sem obrigações, faz bem ao corpo. Segundo a tradicional medicina chinesa, todos os animais, nós incluídos, precisam de um tempo diário para recuperar a vitalidade – isso fora o tempo de sono. Senão, a saúde pifa. O coração dispara, a respiração se altera. Não faltam exemplos de males que a falta de tempo livre nos causa.

Estamos tão acostumados a pautar nossa vida por obrigações que raramente sabemos o que queremos. Ou você nunca ficou perdido sem saber o que fazer em um dia de folga? Precisamos então arranjar tempo para descobrir o que fazer com o tempo livre? Pare com isso.

Basta deixar um tempo livre, desocupado, e a vontade aparece, cedo ou tarde. Quanto antes começar esse exercício, melhor.


Texto adaptado do artigo de Rodrigo Vergara, publicado na Revista Vida Simples

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…