Pular para o conteúdo principal

Não desperdice...

(Paulo Roberto Gaefke)

Não desperdice a oportunidade de crescer,
se o desemprego bateu de repente, talvez seja um chamado,
uma forma da vida despertar o seu potencial,
onde você tem a opção de sentar e chorar,
ficar se lamentando e perguntando o porque,
ou visualizar oportunidades, novas portas,
e assim, descobrir quem é você e do que é capaz.
Não desperdice a oportunidade de servir,
o amigo aflito que ligou na hora que você não esperava,
pede apenas um minuto de atenção, uma palavra,
às vezes nem isso, apenas ser ouvido.
O filho cheio de rebeldia, pode estar pedindo um abraço,
um tempo para se aproximar,
a pessoa amada que anda tão nervosa ou triste,
pode estar precisando simplesmente de mais atenção.
Tido parece tão distante e está bem a mão.
Não desperdice vida com reclamação,
olhe em volta, olhe quanta coisa por fazer,
olhe para dentro de você, veja o seu melhor,
olha quanta idéia boa, quantos sentimentos,
quanta vontade de ajudar, de criar, de ser diferente,
então, tudo começa e termina dentro de você.
Pra que perder tempo com lamentações,
buscando respostas que não vão mudar o ocorrido,
o que passou, passou e o que importa é HOJE.
Onde você quer chegar HOJE?
Essa resposta é a moça que vai te empurrar para o futuro.
Enterre os mortos, se livre dos fantasmas,
e recomece, um passo de cada vez,
rumo ao futuro radiante, que brilha em você.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…