Pular para o conteúdo principal

Tempo de renovação


Há tempo para todas as coisas e, claro, um tempo de renovação. Há quanto tempo você não se reinventa? Há quanto tempo não muda os caminhos que trilha, que não faz escolhas diferentes, que não lê sobre novos assuntos? Há quanto tempo não muda o visual, o local que passa férias e o restaurante em que almoça? Há quanto tempo não muda a si mesmo, permitindo o direito de ser alguém renovado e experimentando novas possibilidades? O ser humano é incrível; adaptamo-nos às inúmeras situações adversas e as superamos, muitas vezes descobrindo um enorme poder que nem sabíamos ter.
E, curiosamente, justamente por termos esse poder de lidar com as adversidades é que às vezes acabamos por nos acostumar com elas. Fazemos as mesmas coisas, nutrimos os mesmos hábitos, pois já nos adaptamos a uma forma de viver. Mas, e se renovássemos vez por outra nossos caminhos? Não seria mais interessante? Não digo que devemos sair por aí, sem critério, simplesmente renovando por renovar. No entanto, há muito por fazer por nossa vida e nossa maneira de caminhar.
Abra-se a novas possibilidades no trabalho, na família, na vida a dois. Abra-se a novas possibilidades no lazer, na forma de lidar com seu dinheiro, na busca pela paz. Dar-se ao direito de renovar é reabastecer-se continuamente com uma motivação genuína, o que nos traz muita paz. Trata-se de uma paz diferente. No sentido de encontrarmos um ponto de equilíbrio no meio da vida, apesar de intensos movimentos.
Mude para melhor; faça tentativas. Se não funcionar, mude a maneira de mudar. Tente outras coisas. A idéia aqui não é fazer da renovação uma obsessão, mas uma forma de viver pautada no bom senso. Pergunte sempre ao seu coração: qual seu nível de prazer e realização? Ele sempre lhe dirá quando é necessário introduzir algo novo ou simplesmente continuar com a velha maneira de ser. Seja como for, dê a si mesmo o presente de renovar os caminhos sempre que possível. O que você poderia fazer a partir de agora por você?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…