Pular para o conteúdo principal

A Diferença que faz uma Estação

Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas de modo apressado, por isso, mandou cada um em uma viagem para que observassem uma pereira que estava plantada em um local distante.
O primeiro filho foi até lá no Inverno, o segundo na Primavera, o terceiro no Verão e o quarto e mais jovem, no Outono.
Quando os filhos retornaram, o homem os reuniu e pediu a cada um que descrevesse o que tinha observado.
O primeiro filho disse que a árvore era feia, torta e retorcida.
O segundo discordou, pois vira uma árvore recoberta de botões verdes e cheia de promessas.
O terceiro filho disse que ambos estavam errados: a árvore estava coberta de flores, que tinham um cheiro tão doce e eram tão bonitas, que ele se arriscaria a dizer que eram a coisa mais graciosa que jamais tinha visto.
O último filho discordou de todos seus irmãos. A árvore que vira estava carregada e arqueada, cheia de frutas e de vida…
O homem então explicou a seus filhos que todos estavam certos, porque tinham visto apenas uma estação da vida da árvore… E concluiu: não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação. A essência de quem eles são, o prazer, a alegria e o amor que vem de sua vida, podem apenas ser medidos ao final, quando o ciclo de todas as estações estiver completo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…