Pular para o conteúdo principal

Sem prazer...

Sugestão do ouvinte Grayver Liberato
Quero uma indenização pela vida que me tem sido roubada diariamente pelo trabalho desenfreado e pelas preocupações. Uma indenização por gastar a melhor parte do dia, que é justamente o dia, fazendo o que me cansa sem me dar prazer.
Quero um abono por dedicar à minha família apenas o que sobrou das minhas energias e minha paciência. Exijo uma cirurgia reparadora para amenizar a expressão cansada, o ar pesado e as rugas que cobrem meu rosto por passar o dia inteiro variando entre a introspecção e o mau humor.
Quero férias sabáticas com direito às viagens de Júlio Verne, pois só assim me sentirei compensado por tantos anos sem reparar na beleza da natureza, na grandeza do mundo e na diversidade das pessoas.
Quero ser mais humilde e mais humano. Quero ter oportunidade de voltar a exercer meu direito de ler livros, assistir filmes e conversar com meus amigos e tirar fotos sem a culpa de quem comete o maior de todos os pecados da vida moderna: a simplicidade.
Quero que façam voltar para dentro de minha boca todos os palavrões que proferi pelas ruas em momentos de descontrole e irritação com o meus semelhantes.
Exijo terminantemente a devolução da jovialidade da minha esposa, da qual desfrutei com tanta displicência. Quero de volta a virilidade do meu marido, que só agora sinto a falta que faz.
Desejo a devolução da infância dos meus filhos, que não assisti, apenas ouvi a narração de alguém que a vivenciou em meu lugar. Desejo encontrar um tribunal que acolha minhas queixas e julgue minha causa com humanidade. Um tribunal em que o juiz não julga segundo os postulados do direito, mas sim segundo os preceitos dos pequenos prazeres diários, dos quais somos privados implacavelmente.
Por último, quero acreditar que se um dia pudesse fazer tudo de novo, faria tudo diferente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…