Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 09 de Dezembro de 2010.

                        Não se envenene

Se alguém colocasse veneno na sua água e você descobrisse isso, você a  beberia mesmo assim? Certamente não. Certos elementos químicos que você  consegue ver, provar, tocar e sentir o odor podem ser fatais. Felizmente
somos dotados de instintos de auto-preservação que nos coíbem de ingerir ingênua e  deliberadamente tais substâncias.

Mas o que dizer da sua mente? Repetidamente as pessoas estão envenenando  seus pensamentos com o negativismo. E ainda que não possam vê-lo, prová-lo  ou tocá-lo, ele pode ser igualmente fatal.

Mas o que é esse veneno? Negativismo é o veneno que mata os mais
preciosos  sonhos de uma pessoa. Ele começa com pensamentos negativos, que devem  ser contidos a todo custo, posto que contaminam e se alastram.

Para fazer frente a isso, é necessário que você monitore os pensamentos que  permitem a entrada desse veneno em sua mente. Cada um de seus  pensamentos! Se você se descobre pensando negativamente, repense. Parte  do processo de mudar seu pensamento do negativo para o positivo consiste
em ser grato pelas preciosas
dádivas que a vida pode nos oferecer.
A simples  gratidão pela vida que nos foi dada atrai algumas
das melhores coisas com as  quais sonhamos nesse mundo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…