Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 07 de Dezembro de 2010.

Justiça e misericórdia

Amigos, ao ligarmos a televisão, lermos um jornal, vermos algum filme,
ouvirmos alguma música, lermos certo livro, conversarmos com alguém, a maior probabilidade é de que vejamos e ouçamos acerca de fatos sobre violência, sensualidade, corrupção, egoísmo, guerras, ódios, etc.

Diante tais fatos alguns se alteram e clamam por JUSTIÇA!
Erguem a voz e afirmam com todas as letras que somente o rigor da lei e seu “braço forte” podem dar solução a tantos descalabros.

Observando, todavia, a quantidade de leis e a estrutura coercitiva do Estado somos levados a pensar: por que então mesmo em países onde há a pena de morte a criminalidade tem aumentado?
Mesmo no Brasil, onde há toda uma estrutura punitiva, a solução já chegou?

A fora os que apelam para uma Justiça Divina, que na visão deles deveria ser de castigo, ira Divina, o “Poder Divino esmagando os infiéis!”...

A verdade é que a Providência Divina age com sua justiça, mas é uma justiça com amor, com misericórdia.
Nosso Criador não castiga; a vida nos apresenta experiências visando nosso enriquecimento moral, intelectual, sentimental e espiritual.

Mesmo os momentos que a princípio nos parecem extremamente negativos têm lições importantes a nos ensinar.

Na sociedade deveríamos falar mais em educação, assistência à infância e às famílias, cooperação, solidariedade, fraternidade, auxílio aos mais fracos e desprotegidos. Portanto, diante tantos aspectos pessimistas que observamos no mundo, usemos mais de misericórdia, mesmo não deixando de buscar a justiça.  

Jonas Nazareth

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…