Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 01 de Dezembro de 2010.

Perdas e danos, texto de Alexandre Pelegi

A vida é um jogo de soma zero: nascemos, crescemos, morremos. Do pó saímos e ao pó retornamos. Quer coisa mais besta?
(…)
Somos mais ou somos menos? Valemos pelo que temos ou pensamos, ou isso pouco importa na contabilidade que acreditamos piamente existir na eternidade?
Tenho cá pra mim que Deus odeia fazer contas, nem é dado a aplicar juros correntes em nossas dívidas. Cada um de nós carrega sua própria cruz, e sabe de cor e salteado o tamanho e a gravidade de seus pecados.
Deus não precisa de memória, não se utiliza de geografia, tampouco de história, e sequer precisa de loas, nem glórias. Isso é coisa de humanos… Por que acreditamos sempre que somos modelo para o resto da cosmosfera?
(…)
O rio está no mar, assim como estamos na vida de todos. Somos a parte e o todo, a vassoura e o rodo, a lama e o lodo, a flor e o estrume. Somos um e somos muitos, por mais que nos achemos donos do outro.
Somos fruto de nossas próprias escolhas. Não há culpados maiores para nossos erros, a não ser nós mesmos. Não há sorte, nem azar, que explique ou justifique nossos destinos, quiçá nossos segredos.
A vida é um jogo de soma zero. Entre o nascer e o morrer resta-nos a chance de ser diverso na forma como escolhemos viver nossa sina. Viver é isso: um instante apenas. O resto é repetição e monotonia.


Eu e Beth Guzzo em entrevista hoje dia 01/12/2010.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…