Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 12 de Julho de 2010.

Prorrogando a dor

Por que será que nos agarramos a situações para as quais conhecemos perfeitamente o desfecho?
Sabemos de antemão o que fazer, mas somos tomados pela angústia de ter que assumir uma decisão que vai nos fazer sofrer.

Colocamos à frente um passo que poderia ter sido tomado agora.
Nos enganamos conscientemente.

Prorrogamos a decisão para que a dor seja prorrogada.
É possível que dentro de nós achamos que a dor esticada vai ser mais suave.

Se não podemos evitá-la, pelo menos vamos vivê-la a prestações, sem muita consciência que os juros podem ser muito altos no fim.
Dar um passo errado não nos custa tanto quanto ter que assumi-lo.
E ter que conviver com ele ou as conseqüências dele.

Uma vez que reconhecemos o caminho errado, o normal seria voltar.
Mas o que fazemos?
Olhamos pra trás, medimos o caminho percorrido, nos perdemos no tempo sem sair do lugar, mesmo se a vida se apressa ao nosso redor.

Conhecemos o abismo que se apresenta diante da situação, mas nos recusamos a admiti-lo, embora saibamos que não queremos cair nele. Caminhamos a passos lentos, guiados pela esperança que nunca nos abandona, mesmo sabendo que uma hora ou outra teremos que pôr o ponto final. Fim da história.

Fim de nós de uma certa maneira, ou daquilo que vivemos e sonhamos.
Acreditamos num pequeno lapso de tempo que nunca mais outra oportunidade virá a nós, como se a vida fosse limitada.

Nos entregamos à dor como nos entregamos ao amor. Inteiramente.
E somos invadidos por uma sombra que nos isola de tudo.
Mas que maravilhoso remédio é o tempo!

Um dia acordamos e tudo parece mais ameno. Abrimos os olhos.
Começamos a notar coisas para as quais estávamos cegos.
O dia seguinte será ainda melhor e virá um outro e um outro.

Quão grandioso é esse Maestro do universo!
Com um simples sopro ressuscita o sol a cada manhã e nos eleva com ele. Somos dessa maneira não uma pessoa nova, mas uma pessoa renovada.

Mais vivida.
Carregados de experiências que nos serviram de lição, que nos enriqueceram e nos tornaram uma pessoa, quem sabe, melhor.

Letícia Thompson

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…