Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 29 de junho de 2010.

Não Julgueis

Hasan de Basra relata:
Eu havia me convencido de que eu era um homem de humildade e mais do que humilde em meus pensamentos e na minha conduta com os outros.

Então, um dia, parado à margem de um rio, vi um homem sentado. A seu lado havia uma mulher e, na frente deles, um cantil de vinho.

Pensei:
- Se pelo menos eu pudesse transformar esse homem e fazê-lo como eu sou, em lugar da criatura degenerada que ele é!

Nesse momento, vi um barco no rio, começando a afundar. O homem imediatamente atirou-se na água, onde sete pessoas se debatiam, e trouxe seis delas, salvas, para a margem.

Depois, o homem veio a mim e disse:
- Hasan, se você é um homem melhor do que eu, em nome de Deus, salve aquele homem, o último que resta.

Descobri, então, que não podia nem salvar um homem, e ele se afogou.

E o homem me disse:
- Esta mulher aqui é minha mãe. Este cantil de vinho contém apenas água. É assim que você julga, é assim que você é.

Joguei-me aos seus pés e implorei:
- Assim como você salvou seis desses sete homens em perigo, salve-me de me afogar no orgulho disfarçado de mérito!

O estranho me disse:
- Rezo para que Deus realize seu objetivo.

Quem é realmente humilde nem cogita em sê-lo, não julga o outro, mas trabalha verdadeiramente para seu aprimoramento.
(Iassan Pery)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…