Pular para o conteúdo principal

Mensagem do dia 15 de junho de 2010.

Ninguém é melhor que ninguém

Conta-nos uma antiga parábola que, certo dia, um alfinete e
uma agulha encontraram-se numa cesta de costuras. Estando os dois desocupados, começaram a discutir, porque cada um se
considerava melhor e mais importante do que o outro:

"Afinal, qual é mesmo a sua utilidade?" disse o alfinete
para a agulha. "E como pensa você vencer na vida se não tem cabeça?"

"A sua crítica não tem a menor procedência" respondeu a
agulha rispidamente. "Responda-me agora: de que the serve
a cabeça se não tem olho? Não é mais importante poder ver?

"Ora, e de que lhe vale seu olho se há sempre um fio
impedindo a sua visão?" retrucou o alfinete.
"Pois fique sabendo que mesmo tendo um fio atravessando o
meu olho, eu ainda posso fazer muito mais do que você."

Enquanto se ocupavam nessa discussão, uma senhora pegou a cesta de costura, desejando coser um pequeno rasgo no tapete.
Enfiou a agulha com linha bem resistente e se pôs a costurar o
mais rápido que pôde. De repente a linha emaranhou-se, formando
uma laçada que dificultou o acabamento da costura. Apressada, a
mulher deu um puxão violento que rompeu o olho da agulha.

Tendo que ultimar aquele trabalho, ela amarrou a linha na
cabeça do alfinete e conseguiu dar os pontos finais; mas na
hora de arrematar, a cabeça do alfinete se desprendeu.
Impaciente com tudo, jogou a agulha e o
alfinete na cesta e saiu resmungando.

Ambos estavam enganados: o alfinete e a agulha! Nenhum dos
dois era insubstituível. Nenhum dos dois era perfeito. Nenhum
dos dois era tão versátil que pudesse julgar-se com o direito
de se considerar melhor do que o outro.
Bom dia a todos e bom jogo, afinal hoje é a primeira partida do Brasil na copa 2010.
Adriano Carlos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…