Pular para o conteúdo principal

Mensagem do dia 27 de Maio de 2010.

Ele é meu irmão
Em uma noite de rigoroso inverno, a campainha da casa do médico, daquela aldeia afastada, soou insistentemente. Sem se demorar o atencioso clínico abriu cautelosamente a porta, por causa do vento que soprava com violência, e verificou a presença de um menino de uns oito anos de idade aproximados. Estava com a cabeça enfaixada com um pano já totalmente ensopado de sangue e demonstrava sentir dores.

- Mas, meu filho, o que aconteceu com a sua cabeça? Está ainda sangrando!

- Bem, doutor, meu irmão e eu brincávamos em cima do celeiro; de repente, ele quis a peteca que estava na minha mão. Eu, naturalmente, não a entreguei porque me pertencia.
Então, ele ficou muito irritado e me empurrou lá de cima e eu caí do alto bem em cima de um velho tonel, que meu pai havia colocado por ali, e feri a minha cabeça na fita metálica que o reforça.

O médico, pacientemente, o conduziu para o seu pequeno consultório. O exame, relativamente demorado, mostrou que no ato da queda uma boa extensão do couro cabeludo abriu-se.
Todo o local foi muito bem lavado com água oxigenada; mas foram necessários muitos pontos para recolocar a pele no seu devido lugar. Em virtude da emergência do caso, não foi possível providenciar-se qualquer anestésico. Apesar disso, o menino se portou com uma extraordinária fibra. Ficou quietinho, não chorou e nem gritou, apesar de toda a dor que sentiu. Terminada a operação, o médico, surpreendído e até emocionado com aquela tão grande coragem do garoto, ofereceu-lhe como prêmio um tablete de chocolate.

Ao entregá-lo, aconselhou-o dizendo:
- Olha, meu filho, enquanto caminhar de volta para casa, vá comendo o chocolate. Isso fará com que recupere um pouco das energias que perdeu. Entretanto, para surpresa ainda maior do médico, o menino respondeu:

- Sim, doutor, muito obrigado. Vou comer; mas comerei apenas a metade. O restante vou levar para o Renatinho.

Entre admirado e intrigado, o médico replicou de imediato:
- Mas escuta aqui uma coisa: esse Renatinho é o seu irmão?
- Sim, é ele mesmo o meu irmão gêmeo. O meu nome é Ricardo -explicou o menino.

- Até aí, tudo bem - concordou o médico, e continuou: - Mas não foi ele quem o empurrou de cima do celeiro, depois de querer sua peteca?

Com um brilho singular nos seus olhinhos, o pequeno respondeu com toda amabilidade e ternura tão próprias de uma criança da sua idade:
- É verdade, doutor; mas mesmo assim ele é o meu irmão!

Que maravilhosa lição de amor deu o pequeno paciente ao seu médico. Tantas vezes nos prejudicamos porque a nossa reação natural é sempre a de desejar retribuir o mal com o mal.
Seríamos também felizes se, como Ricardo, cultivássemos a prática do perdão. Perdoar é obrigação. Não se faz nada de extraordinário, quando se perdoa o ofensor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…