Pular para o conteúdo principal

Mensagem do dia 23 de abril de 2010

Lavoura de sorrisos

Amigos, já conseguimos compreender que as grandes conquistas da vida se assemelham ao trabalho do agricultor, arando, preparando a terra, realizando a semeadura, cuidando da plantação, efetuando tratos diversos até o momento da colheita. Se quisermos ter boa colheita precisamos realizar boa semeadura, e escolher bem quais as plantas que queremos ver multiplicadas e fartas na hora de colher a safra.
Todos - ou quase todos – desejamos sempre estar recebendo pela vida a presença da alegria, os momentos de riso, os sorrisos dos que amamos brilhando e servindo de farol a iluminar planos e projetos envolvendo-os e a nós.
Neste caso a plantação deverá ser de espécies que permitam estimular tais resultados.
Convida-nos assim a vida a que efetuemos uma lavoura... de sorrisos! Isso mesmo, semear sorrisos... Se aprendemos a sorrir estimulamos as pessoas, mais facilmente superamos os óbices, provocamos o retorno da alegria, os problemas tornar-se-ão menores, aumentaremos o grau de satisfação íntima pelos benefícios recebidos, o próximo sentir-se-á melhor perto de nós, enfim, não deixaremos a tristeza e o pessimismo tornar plúmbeo (nublado) o céu de nossas vidas.
Alguns até dizem que ao sorrir demais damos sinal de loucura ou idiotia, mas o sorriso pode ser externo, estampado na face, ou interno, quando o sorrir por fora pode parecer menosprezo à dor alheia, mas guardamos por dentro a confiança e a esperança da
solução a caminho. Não deixemos de sorrir.
O sorriso é um sol a dissolver as nuvens da angústia e da dor.

Bom fim de semana pra todos e até segunda-feira.

Comentários

  1. Adriano que Deus continue a te abençoar, pois vc tem muita luz e tem ajudado muita gente com suas mensagens. Parabéns pelo programa.
    Maria Helena de Sandy
    Varginha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…