Pular para o conteúdo principal

Mensagem do Dia 08/Out/2009

Abraçando a (quase) todos Amigos,
nos surpreendemos com momentos diferenciados de alegria ou dor,
onde a solidariedade e a fraternidade afloram na maior parte das pessoas. O bom exemplo no aspecto de alegria são as festas de fim-de-ano, com o clima
agradável que se instala nas casas e em todos os ambientes em geral, algo no
ar que nos sensibiliza, e fatos que em outras épocas passam desapercebidos,
na época do Natal e fim-de-ano nos leva às lágrimas. Como exemplo de consternação temos os momentos das tragédias coletivas,
onde a coletividade se mobiliza, onde as lágrimas nos visitam os olhos como a
indagar porque tantos irmãos nossos foram levados a tamanhos sofrimentos.

Notemos que os chamamos de irmãos, sejam de que continente for, ideologias
políticas diferentes, concepções religiosas bastante diferente das nossas... Não nos surpreendamos, pois é natural que quando direcionamos pensamentos
e sentimentos (mesmo pequena parcela) para um objetivo de fazer algo por
alguém (diminuindo-lhe a dor), compreendemos mais as pessoas que nos cercam,
doamos algo de nós mesmos para os semelhantes que também lutam pela vida. Fazemos o que geralmente não fazemos em outras situações: olhar mais para
outrem, notá-los, sentir que são pessoas como nós, com sonhos, temores,
expectativas. Queremos abraçar, consolar, secar prantos. Um dia aprenderemos a estender para todos os dias essa postura de alegria
contagiante ou de solidariedade vibrante que nos toma nessas ocasiões.

É isso que justifica o fato de sermos chamados de humanos. Bom dia!!! (Jonas Nazareth)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos

MENSAGEM do dia 19 de novembro na voz de Adriano Carlos



Quem sabe não precisa? Um dia eu estava na frente de casa secando meu carro. Eu tinha acabado de lavar o carro e esperava minha esposa para sair para o trabalho. Vi, descendo a rua, um homem que a sociedade consideraria um mendigo. Pela aparência dele, não tinha carro, nem casa, nem roupa limpa e nem dinheiro. Tem vez que você se sente generoso mas há outras vezes que você não quer nem ser incomodado. Este era um dia do "não quero ser incomodado".

- Espero que não venha me pedir dinheiro. Pensei.
Não veio. Passou e sentou-se em frente, no meio-fio do ponto de ônibus e não parecia ter dinheiro nem mesmo para andar de ônibus. Após alguns minutos falou,
- É um carro muito bonito.

Sua voz era áspera mas tinha um ar de dignidade em torno dele. Eu agradeci e continuei secando o carro.
Ele ficou lá. Quieto, sentado enquanto eu trabalhava. O previsto pedido por dinheiro nunca veio. Enquanto o silêncio entre nós aumentava, uma voz…